PERFORMANCE IN MATHEMATICS AND AFFECTIVITIES:

ANALYSIS UNDER THE VIEW OF POSITIVE PSYCHOLOGY ON STUDENTS OF TECHNICAL COURSES INTEGRATED TO HIGH SCHOOL

Autores

  • Luiz Henrique Lima Faria Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Angélica Brandão Rossow Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Beatriz Zambon Gontijo Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Brendha de Oliveira Valim Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Júlia Thomazini Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Luisa Gaigher Franco Instituto Federal do Espírito Santo - IFES
  • Sara Pedra Borges Instituto Federal do Espírito Santo - IFES

DOI:

https://doi.org/10.47682/2675-6552.a2022v1n2p21-35

Keywords:

School Performance in Mathematics, Affections, Mathematics Teaching, Positive Psychology, Technical Courses Integrated to High School

Abstract

This research, based on the theoretical frameworks of Positive Psychology and Mathematics Teaching, aimed to investigate the possible relationships between Positive and Negative Affectivities and School Performance in Mathematics. To achieve this objective, a survey was used to collect data on affectivity in a sample of students from technical courses integrated into high school and collected data on school performance in Mathematics through the semester grades of these same students. With these data in hand, we proceeded to data analysis. This analysis was carried out using Pearson's Correlation Coefficient (r), which resulted in evidence of the existence of a moderate correlation between Positive Affectivities and School Performance in Mathematics, as well as evidence of the existence of a weak correlation, but between Negative Affectivities and School Performance in Mathematics. Thus, it was concluded by the statistical confirmation of the relationship between Positive and Negative Affectivities and School Performance in Mathematics. This research also advised parsimony in the generalization of its conclusions, since there was a limitation linked to the use of the convenience sampling technique and, in addition, suggested that future studies explore other concepts belonging to the field of Positive Psychology and that others be investigated types of relationship, in addition to correlation, since there is the possibility of seeking evidence on cause/effect, mediation and moderation relationships related to Mathematics Teaching constructs.

Referências

ALARCÓN, R. (2017). En torno a los fundamentos filosóficos de la psicología positiva. Persona, Lima, Peru, n.20, pp. 11-28.

ALVES, G. C. (2018). Resultados do Pisa 2015 e seu uso para a formulação de políticas públicas em educação. Dissertação (Mestrado Profissional em Administração) Universidade de Brasília, Brasília, 76 f.

ANDRADE M.J., LAROS A.J. (2007). Fatores Associados ao Desempenho Escolar: Estudo Multinível com Dados do SAEB/2001. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, Vol. 23 n. 1, pp. 033-042.

ALMEIDA L. S., MIRANDA L., GUISANDE M. A. (2008). Atribuições causais para o sucesso e fracasso escolares. Estudos de Psicologia, Campinas, 25(2), pp. 169-176.

ARANTES, V. A. (2003). Afetividade na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus.

AYOTOLA A., ADEDEJI T. (2009). The relationship between mathematics self-efficacy and achievement in mathematics. Procedia Social and Behavioral Sciences. 1 pp. 953-957.

BARROS, R. M. A., MARTÍN, J. I. G., PINTO J. F.V.C. (2010). Investigação e Prática em Psicologia Positiva. Psicologia, Ciência e Profissão, Portugal. Vol. 30 n.2 pp.318-327.

BRASIL – Ministério da Educação. (2016). Média em matemática está entre as menores do Pisa.

BRUM W. P. (2013). Crise no ensino de matemática? Os amplificadores que potencializam o fracasso da aprendizagem. VI Congresso Internacional de Ensino da Matemática. ULBRA - Canoas - Rio Grande do Sul pp 1-10

BUSSAB, W.O.; MORETTIN, P.A. (2002). Estatística básica. São Paulo: Editora Saraiva.

CAMALIONTE, L. G., BOCCALANDRO, M. P. R. (2017). Felicidade e bem-estar na visão da psicologia positiva. Boletim Academia Paulista de Psicologia, São Paulo. Vol. 37, n. 93, pp. 206-227.

CAPRARA, G. V.; BARBARANELLI, C.; PASTORELLI, C.; BANDURA, A.; ZIMBARDO, P. G. (2000). Prosocial foundations of children’s academic achievement. Psychological Science, 11(4), 302–306.

CARVER C. S., SCHEIER M. F. (1990). Origins and Functions of Positive and Negative Affect: A Control-Process View. Psychological Review, Miami, EUA, vol. 97, n.1, pp. 19-35.

COLEMAN, J. S.; CAMPBELL, E. Q.; HOBSON, C. J.; MCPARTLAND, J.; MOOD, A. M.; WEINFELD. F. D.; YORK, R. L. (1966). Equality of education opportunity. Washington: Office of Education and Welfare.

COMIN, F. S, SANTOS, M. A. (2010). Psicologia Positiva e os Instrumentos de Avaliação no Contexto Brasileiro. Psicologia: Reflexão e Crítica, Brasil. 23(3), pp. 440-448.

CRAWFORD, J. R., & HENRY, J. D. (2004). The Positive and Negative Affect Schedule (PANAS): Construct validity, measurement properties and normative data in a large non-clinical sample. British Journal of Clinical Psychology, 43, 245-265.

DAMASCENO, M. A., & NEGREIROS, F. (2018). Professores, fracasso e sucesso escolar: um estudo no contexto educacional brasileiro. Revista de Psicologia da IMED, Passo Fundo, vol. 10, n. 1, pp. 73-89.

DANCEY, C. P.; REIDY, J. (2013). Estatística Sem Matemática para Psicologia. Porto Alegre: Editora Penso.

FARIA, L. H. L., SCHULTZ, A. C. K., ROSSOW, A. B., MM MAGELA, M. M., FARIA, R. S. F. (2019). Um estudo sobre a relação entre desempenho escolar em matemática e Nomofobia sobre uma amostra de estudantes de cursos técnicos integrados ao ensino médio. XIII ENEM-Encontro Nacional de Educação Matemática. Cuiabá – MT.

EMMEL R., COSTA P. (2019). O Ensino da Matemática, a aprendizagem e o fracasso escolar: uma análise dessas relações no Ensino Médio Integrado de uma instituição da rede federal de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico. REMAT, Bento Gonçalves, RS, Brasil, v. 5, n. 2, pp 96-107.

FERNANDES, M.L., LEME R.B.V., ELIAS S.C.L., SOARES B.A. (2018). Preditores do Desempenho Escolar ao final do Ensino Fundamental: Histórico de Reprovação, Habilidades Sociais e Apoio Social. Temas em Psicologia. Niterói. Vol. 26, nº 1, pp. 215-228.

FINCH, J. F.; BARANIK. L. F.; LIU, Y.; WEST, S. G. (2012). Physical health, positive and negative affect, and personality: A longitudinal analysis. Journal of Research in Personality. Volume 46, Issue 5, pp. 537-545.

FREDRICKSON, B. L (2004). The broaden–and–build theory of positive emotions. Philosophical Transactions of the Royal Society of London. Ann Arbor, Michigan, Series B: Biological Sciences, v. 359, n. 1449, p. 1367-1377.

FREDRICKSON B. L., LOSADA M. F. (2005). Positive Affect and the Complex Dynamics of Human Flourishing. National Institutes of Health. EUA. 60(7), pp. 678-686.

FREDRICKSON, B.L. (2013). Positive Emotion: How positive emotions broaden and build. Advances in Experimental Social Psychology. EUA. Volume 47.

GARCIA O.S., AZEVEDO G.R., SOBRINHO A.M. (2019). Um estudo sobre o fracasso escolar no Ensino Médio entre os anos de 2010, 2013 e 2016. Revista Internacional d’Humanitats, CEMOrOc-Feusp. Barcelona, pp 103-122

HAIR, F. H.; BABIN, B.; MONEY, A. H.; SAMOUEL, P. (2005). Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman.

MAHONEY A.M., ALMEIDA L.R. (2005). Afetividade e processo ensino-aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. Psicologia da Educação, São Paulo, vol. 20, pp. 11-30.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. (2007). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

MELLO, K. L. (2019). Um olhar sob a diversidade cultural, fracasso escolar e as questões curriculares de Matemática. Revista acadêmica “pensar além”, ed. I, pp. 47-57.

MIGUEL R. R., LIMA L. N., RIJO D. (2012). Fatores de Risco para o Insucesso Escolar: A Relevância das Variáveis Psicológicas e Comportamentais do Aluno. Revista Portuguesa de Pedagogia, Coimbra, n. 46-l, pp. 127-143.

MORRIS, P. (2017). Política educacional, exames internacionais de desempenho e a busca da escolarização de classe mundial: uma análise crítica. Est. Aval. Educ., São Paulo, v. 28, n. 68, p. 302-342.

NASCIMENTO A. A. N. (2020). A influência da autoestima na minimização das dificuldades de aprendizagem da matemática no ensino fundamental. Revista Multidisciplinar da Fauesp. Unificada, v.2, n.1, pp. 82-96.

NORONHA, A. P. P. N., MANSÃO, C. S. M. (2012). Interesses Profissionais e Afetos Positivos e Negativos: Estudo Exploratório com Estudantes de Ensino Médio. Psico_UFS, Bragança Paulista, vol.17, n. 2, pp. 323-331.

O’MALLEY, M.; VOIGHT, A.; RENSHAW, T. L.; EKLUND, K. (2015). School climate, family structure, and academic achievement: A study of moderation effects. School Psychology Quarterly, 30(1), 142-157.

PACHECO, M. B., ANDREIS, G.S.L. (2018). Causas das dificuldades de aprendizagem em Matemática: percepção de professores e estudantes do 3º ano do Ensino Médio. Revista Principia, Divulgação científica e tecnológica do IFPB, n. 38, pp. 105-119.

PALUDO, S. S, KOLLER, S. H. (2007). Psicologia Positiva: uma nova abordagem para antigas questões. Paidéia, Porto Alegre, vol. 17, n.36, pp. 9-20.

PAVOT, W., DIENER, E. (2008). The Satisfaction With Life Scale and the emerging construct of life satisfaction. The Journal of Positive Psychology. EUA, vol. 3, n. 2, pp. 137-152.

PINTO, J.; SILVA, J. C.; NETO, T. B. (2016). Fatores influenciadores dos resultados de matemática de estudantes portugueses e brasileiros no PISA: revisão integrativa. Ciência & Educação, v. 22, n. 4, p. 837-853.

RÍOS, L. F., VÁZQUEZ, M. V. (2018). História, investigación y discurso de la Psicología Positiva: Un abordaje crítico. Terapia Psicológica, Zaragoza, Espanha, vol. 36, n. 2, pp. 123-133.

SEGABINAZI, J. D.; ZORTEA, M.; ZANON, C.; BANDEIRA, D. R.; GIACOMONI, C. H.; HUTZ, C. S. (2012). Escala de Afetos Positivos e Negativos para Adolescentes: adaptação, normatização e evidências de validade. Avaliação Psicológica, 11(1), pp. 1-12.

SELIGMAN, M. E. P., CSIKSZENTMIHALYI, M. (2000). Positive psychology: An introduction. American Psychologist. Philadelphia, v. 55, n. 1, pp. 5-14.

SELIGMAN, M. E. P. (2004). Felicidade autêntica: Usando a nova Psicologia Positiva para a realização permanente. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva.

SELIGMAN M. E. P., ERNST R. M., GILLHAM J., REIVICH K., LINKINS M. (2009). Positive education: positive psychology and classroom interventions. Oxford Review of Education. Pennsylvania EUA, vol. 35, n° 3, pp. 293-311.

SILVA, M. L., CRUZ, V. A., & SILVA, F. F. (2014). A dimensão afetiva e sua relevância no processo de ensino-aprendizagem: Uma abordagem sociocognitiva. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, Santa Maria, V. 18 n. 3, p.1303-1311.

SILVESTRE, R. L., VANDENBERGHE, L. (2013). Os Benefícios das Emoções Positivas. Contextos Clínicos. Porto Alegre, v. 6, n,1, p. 50-57.

SINGH, K.; JHA, S. D. (2008). Positive and negative affect, and grit as predictors of happiness and life satisfaction. Journal of the Indian Academy of Applied Psychology, 34, 40-45.

VERGARA, S. C. (2007). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 9 ed. São Paulo: Atlas.

ZAGO, N. (2011). Fracasso e sucesso escolar no contexto das relações família e escola: Questionamentos e tendências em sociologia da educação. Sociologia da Educação, Revista Luso-Brasileira, ano 2, n.3, pp. 57-83.

Downloads

Publicado

2023-01-28

Como Citar

FARIA, L. H. L.; ROSSOW, A. B. .; GONTIJO, B. Z. .; VALIM, B. de O. .; THOMAZINI, J. .; FRANCO, L. G. .; BORGES, S. P. PERFORMANCE IN MATHEMATICS AND AFFECTIVITIES:: ANALYSIS UNDER THE VIEW OF POSITIVE PSYCHOLOGY ON STUDENTS OF TECHNICAL COURSES INTEGRATED TO HIGH SCHOOL. RINTERPAP - Revista Interdisciplinar de Pesquisas Aplicadas, Cariacica (ES), Brasil, v. 1, n. 2, p. 21-35, 2023. DOI: 10.47682/2675-6552.a2022v1n2p21-35. Disponível em: https://journals.sespted.org/rinterpap/article/view/60. Acesso em: 31 jan. 2023.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)